LCI e LCA: o que são e como funcionam esses investimentos de renda fixa isentos de IR

Preparamos um guia completo com tudo o que você precisa saber para começar a investir em letras de crédito imobiliário e do agronegócio, aplicações isentas de imposto de renda

o que é LCI e o que é LCA na renda fixa?
28 de junho de 2022 6 min. leitura

A LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e a LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) são títulos de renda fixa emitidos pelos bancos e outras instituições financeiras para captar recursos destinados a financiar o desenvolvimento, respectivamente, do mercado imobiliário e do agronegócio brasileiro. E, por isso, são isentos  de tributação do Imposto de Renda. Mas você sabe exatamente como eles funcionam e quais os primeiros passos para começar a investir? É o que vamos explicar neste guia completo sobre o tema.

Neste artigo você irá conferir: o que são LCIs e LCAs, quais as vantagens desses investimentos, rentabilidade, tipos de LCI e LCA, principais dúvidas e dicas para você começar a investir. Boa leitura!

Destaques:

  • O que são LCI e LCA?
  • Qual é a diferença entre LCI e LCA?
  • Como funcionam as LCIs e LCAs
  • Riscos e prazos de investimento
  • Passo a passo para começar a investir
  • Taxas e tributações
  • Como escolher as melhores LCIs e LCAs

O que é LCI?

A Letra de Crédito Imobiliário é uma maneira encontrada pelas instituições financeiras de levantar dinheiro para manter o fluxo de financiamento imobiliário. A LCI é, portanto, um título privado lastreado na concessão de crédito para pessoas comprarem a casa própria e empresas investirem em projetos nas áreas de construção, reforma ou incorporação. Há outros investimentos imobiliários que cumprem esse mesmo papel.

Ao investir em LCI, você empresta ao banco um dinheiro que é usado para financiar novos negócios do setor, num círculo virtuoso que movimenta a economia. E recebe, em troca, uma remuneração (taxa de juros).

O que é LCA?

A Letra de Crédito do Agronegócio tem um funcionamento bem similar ao da LCI. Só que, nesse caso, o dinheiro captado pelo banco emissor é direcionado a agricultores, fazendeiros, cooperativas de produtores rurais e outras empresas que produzem, beneficiam, industrializam ou comercializam produtos e insumos agropecuários ou máquinas agrícolas, por exemplo.

Então, qual a diferença entre LCI e LCA?

Para o investidor, não há diferenças significativas entre investir em LCI e LCA, além da destinação dos recursos. Ambas as letras de crédito contam com isenção de Imposto de Renda para pessoas físicas (empresas que investem em LCI e LCA pagam impostos) e são cobertas pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), como você confere logo abaixo. 

Assim como o Certificado de Depósito Bancário (CDB), as LCIs e LCAs são investimentos de renda fixa que apresentam como principal característica a rentabilidade aliada à segurança. 

Investir em LCI e LCA é seguro?

Muita gente se faz essa pergunta e a resposta é sim, como as demais aplicações de renda fixa, LCI e LCA estão entre as mais seguras. Ainda assim, todo investimento sempre apresenta algum risco. Mas no caso das LCIs e LCAs esse risco é minimizado porque elas são protegidas pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) até o limite de até R$ 250 mil por CPF e por instituição, o que traz uma segurança adicional.

Confira os principais riscos do investimento: 

  • Risco de Crédito: Relacionado à capacidade de pagamento do emissor das LCI e LCA. Para minimizá-lo, é importante avaliar a credibilidade e a solidez da instituição emissora.
  • Risco de Mercado: Tem a ver com a variação da taxa à qual a LCI ou LCA pós-fixada está atrelada. Para minimizá-lo, é necessário avaliar a tendência da variação da taxa oferecida.
  • Risco de Liquidez: É o risco do investidor não conseguir sacar o dinheiro quando precisar, uma vez que existem prazos de carência e de resgate. Para evitá-lo, é fundamental que você só faça investimentos com prazos que possa esperar.

NOTA

Entenda o que é o FGC: O Fundo Garantidor de Créditos protege investidores das instituições financeiras associadas a ele. Caso a instituição quebre, quem investiu não perde o que foi aplicado. O valor garantido pelo fundo é de até 250 mil reais por CPF ou CNPJ. O FGC cobre depósitos em conta corrente, poupança e investimentos em depósitos a prazo (CDB/RDB), Letras de Câmbio, Letras Hipotecárias, LCI e LCA, entre outros. Debêntures, Certificado de Recebíveis Imobiliários, Certificados de Recebíveis do Agronegócio e Letra Imobiliária Garantida não são garantidos pelo FGC.

"Entre dezembro de 2020 e março de 2022, o número de pessoas investindo em LCIs aumentou 39%. Nas LCAs, o crescimento foi de 111%"

Fonte: B3

como funciona rendimento LCA e LCI, quanto rende

Qual o valor mínimo para investir em LCI e LCA?

Os valores variam bastante. No mercado é possível encontrar  LCIs e LCAs a partir de R$ 1 mil, em média, mas o mais comum são aplicações de no mínimo R$ 30 mil e um prazo mínimo de resgate de 90 dias.

Então, vale a pena refletir se esse investimento é adequado para você, especialmente se tiver acabado de quitar uma dívida ou se ainda não construiu uma reserva de emergência que garanta o pagamento de suas contas básicas por alguns meses.

Como funcionam LCIs e LCAs

Como vimos, ambas as letras de crédito funcionam como empréstimos que você faz ao banco, que deve devolver o valor em uma data futura, acrescido de rendimentos. Investir em LCIs e LCAs pode ser uma opção, especialmente se você quer uma aplicação segura que renda mais que a poupança. Para ter certeza de que está fazendo um bom negócio ao adquirir os títulos, leve em conta, principalmente, dois aspectos: rentabilidade e prazo.

"A liquidez não é um forte das LCIs e LCAs. Em geral, o dinheiro só pode ser resgatado na data de vencimento. Se for preciso retirar antes, o investidor perde os rendimentos"

Fonte: Anbima

Rentabilidade

As taxas de rentabilidade da LCI e da LCA costumam ser superiores ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que é uma referência para os investimentos de renda fixa. Além disso, as LCIs e LCAs rendem mais do que a poupança, e são isentas de Imposto de Renda. Há três tipos de rendimentos:

1. Letras prefixadas

2. Letras pós-fixadas

3. Letras atreladas à inflação

LCIs e LCAs prefixadas: A letra de crédito prefixada possui uma taxa de rentabilidade fixa, indicada na emissão do título. Por exemplo: 5% ao ano. Optando por elas, ao investir, você sabe exatamente quanto o seu dinheiro irá render até a data de vencimento.

LCIs e LCAs pós-fixadas: A letra de crédito pós-fixada possui uma taxa de rentabilidade variável, atrelada a um indexador, como o CDI e o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Em outras palavras, o emissor do título paga um percentual do índice em questão. Por exemplo, 105% do CDI.

LCIs e LCAs atreladas à inflação: A letra de crédito atrelada à inflação possui uma rentabilidade composta pela variação da inflação (IPCA) acrescida de uma parcela prefixada na emissão do título.

Se você quer simular rendimentos e analisar cenários, uma boa dica é utilizar a Calculadora do Cidadão, uma ferramenta gratuita, disponibilizada pelo Banco Central. Com ela, você pode calcular correções de valores atrelados à Selic, ao CDI, à TR, entre outros.

Saiba mais sobre os indexadores das LCIs e LCAs

CDI - Certificado de Depósito Interbancário

O CDI é um título de curtíssimo prazo emitido pelos bancos. Assim como o CDB (Certificado de Depósito Bancário), é usado para captar recursos. A diferença é que o CDI não é oferecido diretamente aos investidores individuais, mas aos bancos, que emprestam valores entre si. 

O CDI existe para regular o sistema financeiro, garantindo que a determinação do Banco Central, de que os bancos devem encerrar todos os dias com saldo positivo de caixa, seja cumprida. Quando uma instituição registra um maior número de saques do que de depósitos, por exemplo, a diferença precisa ser coberta. E a saída é emitir os títulos, que podem ser adquiridos por outros bancos.

Mesmo não podendo ser adquirido por pessoas físicas, o CDI impacta diretamente os investidores, por conta dos juros cobrados nos empréstimos feitos entre os bancos. Essas operações são registradas na B3, a Bolsa de Valores do Brasil, que calcula a taxa média de juros praticada nos certificados interbancários de todo mercado financeiro. O resultado da média é a “taxa DI”  ou“taxa do CDI”. É ela que interessa a quem investe em LCIs e LCAs, e também em outras aplicações.

IPCA - Índice de Preços ao Consumidor Amplo

O IPCA é um índice de inflação brasileiro criado em 1979 e que tem por objetivo medir a variação dos preços de um conjunto de produtos e serviços vendidos no varejo e consumidos pelas famílias brasileiras que ganham entre um e quarenta salários mínimos, residentes nas regiões metropolitanas das maiores cidades do país. 

O índice é calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e indica se houve um aumento, queda ou estabilização da média dos preços de um mês para outro. O IPCA é utilizado pelo Banco Central como índice oficial da inflação ou deflação no Brasil. O governo Federal estabelece metas de inflação para cada ano, e quando percebe que elas serão ultrapassadas, toma medidas de contenção, como o aumento de juros da economia nacional, a taxa Selic. 

Recentemente, tivemos alguns aumentos na Selic, o que significa que o poder de compra dos brasileiros está menor, mas, ao mesmo tempo, colabora para o aumento dos rendimentos de investimentos indexados por essa taxa, como as letras de crédito do mercado imobiliário e do agronegócio. 

Comparativo de rendimentos da LCI e da LCA e outros investimentos de renda fixa

Agora chegou o momento de comparar os rendimentos dos investimentos. Observe o gráfico abaixo, produzido pelos economistas do Porque.com.br com exclusividade para o Meu Bolso em Dia, e respectivas explicações, que vêm logo a seguir.

Gráfico simulador LCI e LCA comparado com a poupança de quanto rendem R$ 1.000,00 investido durante 3 anos. Na poupança rende 271 reais, em uma LCA 95% do CDI rende 426 reais e outros exemplos de rentabilidade LCI e LCA comparado também ao Tesouro direto e CDB. Fonte do Gráfico: porque.com

Suponha que você contrate, hoje, por R$ 1.000, uma LCA que promete 90% do CDI daqui 3 anos (a data de vencimento). Se o CDI variar até lá, a taxa de juros paga pela LCA flutuará junto. O CDI segue de perto o que acontece com a taxa básica da economia, a Selic, utilizada pelo Banco Central em suas ações de política monetária. E toda a expectativa é que a Selic caia nos próximos anos, já que o Banco Central entende que aumentou os juros além do nível de longo prazo, por causa da inflação alta. 

Há outras opções de ativos pós-fixados no mercado, como o CDB – Certificado de Depósito Bancário. Eles são instrumentos que permitem aos bancos captarem recursos junto a investidores, e suas versões pós-fixadas também têm como referência o CDI. 

Mas a comparação com LCIs/LCAs não é tão simples, pois sobre CDBs incide o Imposto de Renda (LCAs e LCIs são isentas). Caso você deixe o dinheiro por mais de 2 anos, a alíquota é de 15%. Para prazos menores, ela é ainda mais alta. Por exemplo, um CDB que paga 110% do CDI tem um retorno mais baixo do que uma LCA que paga 95% do CDI, durante um período de 3 anos. 

Apesar da comparação não ser direta, um ajuste simples ajuda a descobrir qual das opções têm taxas mais favoráveis. Pegue o rendimento do CDB e multiplique por 1, menos a alíquota de IR. Se a taxa da LCA/LCI for maior do que este valor, ela está pagando mais; caso contrário, o CDB tem rendimento mais elevado.

No exemplo acima, a taxa do CDB é 110% da CDI, e a alíquota de IR é 15%. Fazendo a conta, temos 110% × (1 – 15%) = 93,5%. Portanto, LCAs com rendimento maior que 93,5% do CDI pagam mais do que o CDB mencionado. Mesmo que LCAs e LCIs muitas vezes apresentem vantagens, é preciso levar em conta sua liquidez relativamente baixa, isto é, ele provavelmente só conseguirá retirar o dinheiro com juros no vencimento do ativo (no exemplo, só depois de 3 anos). Algumas dessas aplicações também requerem aportes mínimos, outro aspecto que você deve ponderar.

No gráfico acima, fazemos uma comparação do valor recebido por um investidor que coloca R$1.000,00 em uma aplicação de renda fixa pós-fixada, e resgata depois de 3 anos. Consideramos diversas opções: LCA que paga 90% do CDI, LCA que paga 95% do CDI, CDB que paga 100% do CDI, CDB que paga 110% do CDI. 

Adicionamos ainda um investimento no Tesouro Direto, que paga a taxa Selic mais um adicional de 0,1142% ao ano, e um na caderneta de poupança, que paga 0,5% ao mês mais a TR (taxa referencial, que também tende a se mover com a Selic e outras taxas de economia). Sobre o rendimento no Tesouro Direto incidem 15% de IR, enquanto a poupança é isenta.

Supomos que a taxa do CDI, a taxa Selic e a TR se mantêm constantes e iguais aos valores de 13/6/2022, isto é, CDI a 12,65%, Selic a 12,75% ao ano, e TR a 0,17% ao mês. Como mencionamos, esses valores certamente mudarão ao longo do tempo. No entanto, a ideia aqui não é calcular o valor exato, mas comparar os diversos investimentos (se as taxas acima mudam juntas, o valor final desses investimentos mudará, mas seu ranking não).

Principais vantagens das LCIs e LCAs

Lembra do que vimos acima sobre o avanço da inflação e o aumento da taxa Selic no Brasil? Esse ciclo de alta abriu oportunidades de lucros mais atrativos em investimentos de renda fixa, que também apresentam maior segurança em relação às aplicações em renda variável. 

Por conta da segurança e da rentabilidade prevista, hoje a renda fixa pode ser tanto uma porta de entrada para novos investidores quanto uma alternativa segura para os mais experientes.  Assim, LCI e LCA são opções interessantes, principalmente para quem gosta de papéis de crédito bancário.

Pelo fato destas letras de crédito serem emitidas por instituições de diferentes portes e com diferentes segmentos de atuação, as LCI e LCA também são uma boa maneira de diversificar os investimentos, e contando com a garantia do FGC — diferente de outros investimentos de renda fixa privada, como as debêntures.

Ao contrário dos títulos públicos, cujo risco está relacionado ao governo brasileiro, as LCIs e LCAs envolvem o risco de crédito de uma instituição financeira e, por isso, a remuneração tende a ser maior. Ainda que não alcancem o mesmo patamar de outros investimentos de renda fixa privada, o fato de não haver incidência de impostos sobre os papéis pode fazer das letras de crédito um negócio muito vantajoso.

Seja qual for seu grau de experiência em investimentos, LCI e LCA são ótimas oportunidades de negócio, principalmente se você está buscando um investimento seguro que tenha um rendimento superior ao da poupança, ou ainda, se está procurando diversificar suas aplicações.

No momento atual da economia, os bancos têm aumentado o número de emissões. Assim, não é difícil encontrar o título ideal para a sua realidade financeira. De forma geral, a LCA possui investimento mínimo e prazo de aplicação maiores que a LCI. Uma dica é optar por aquela que está alinhada aos seus objetivos e tempo de investimento.

Qual é o prazo do investimento? Posso resgatar a qualquer momento?

O prazo de vencimento varia conforme a instituição — sendo especificado na emissão do título. Entretanto, o Banco Central determina que ele seja, no mínimo, de 90 dias. Também há títulos com prazo de resgate de 6 meses, 1 ano, entre outros. Quanto mais longo o prazo, maior tende a ser a remuneração.

Embora seja possível encontrar investimentos com liquidez diária, as letras de crédito costumam ter longos períodos de carência para o saque. Isso significa que a dificuldade para resgatar os recursos é maior do que outros títulos públicos.

Em alguns casos, mesmo os saques permitidos após a carência podem ser penalizados com taxas. Assim, é importante ficar atento à regra em cada caso, já que é necessário esperar o prazo final de vencimento para resgatar o dinheiro.

No vídeo abaixo você confere outras dicas sobre os principais tipos de investimentos:

Há outras taxas e tributações?

Os rendimentos oriundos das LCIs e LCAs são isentos de cobrança de Imposto de Renda (IR) e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) para pessoa física. Porém, como qualquer outro investimento, podem incidir outras taxas sobre a operação, como custódia e comissões, no caso da compra ser feita por meio de uma corretora.

Passo a passo para investir em LCIs e LCAs

Investir em LCI e LCA é muito simples. Confira o passo a passo abaixo:

  1. Abra uma conta em um banco de investimentos ou corretora que negocie este tipo de título.
  2. Reúna os documentos solicitados, como RG, CPF e comprovante de residência.
  3. Pesquise qual é o tipo de título que você irá comprar, prefixado ou pós-fixado, baseado em suas necessidades, no prazo de vencimento e na rentabilidade oferecida.
  4. Por fim, faça a compra na plataforma digital de seu banco ou corretora ou entre em contato com o gerente de investimentos que atende a sua conta.
  5. Fique atento ao vencimento do título para não deixar o dinheiro recebido de volta parado na conta.
passo a passo para investir em LCA, como investir em LCI - renda fixa

Como escolher as melhores LCIs e LCAs?

Para escolher as melhores LCIs e LCAs, é importante considerar as suas necessidades e possibilidades, além do seu planejamento: as letras de crédito ideais variam de investidor para investidor. No entanto, há quatro pontos relevantes para se garantir uma boa escolha:

  • PRAZO: O prazo de vencimento do título deve ser compatível com o seu planejamento. Isso é importante para evitar uma retirada precoce e a perda financeira que acompanha a venda do título antes de seu vencimento.
  • RENDIMENTO: Antes de comprar uma letra de crédito, é importante levar em conta se os riscos, a margem de lucro e a data de vencimento proporcionam, de fato, um rendimento vantajoso. 
  • EMISSOR: Escolher bem o emissor dos títulos é uma maneira de garantir mais segurança para o seu investimento. Por isso, faça sempre uma pesquisa sobre a empresa antes de investir, procurando saber mais sobre sua solidez no mercado.
dicas de como investir em renda fixa

UM POUCO MAIS SOBRE A RENDA FIXA

Renda fixa é todo o investimento no qual, no momento da compra, você já conhece a forma como o seu dinheiro irá render. Pode ser que não dê para saber exatamente quanto vai receber ao final do período em que o seu dinheiro ficará aplicado, mas você terá a certeza de que haverá algum rendimento e ele será combinado antes. 

Essa categoria de produtos costuma ser a mais recomendada para quem está começando a investir, porque os riscos envolvidos tendem a ser menores do que os oferecidos por outras modalidades de aplicação. Conheça abaixo os principais tipos de investimentos de renda fixa.

TESOURO DIRETO: O Tesouro Direto é um programa de compra e venda de títulos públicos federais que democratizou o acesso das pessoas a esse tipo de investimento, permitindo aplicar a partir de R$30. Ele é considerado um dos investimentos mais seguros do país, por ser 100% garantido pelo Tesouro Nacional.

CDB: O CDB é oferecido principalmente por bancos. Quando você investe nele, empresta dinheiro à instituição financeira, que usa esse recurso para conceder crédito a outras pessoas. Em troca, ela oferece uma remuneração pelo uso do dinheiro. É o que chamamos de rendimento. Em geral, no CBD, essa remuneração costuma ser superior à oferecida pela poupança.

POUPANÇA: A poupança é o investimento mais lembrado e, também, o mais usado pelos brasileiros! Para investir, basta ter uma conta corrente em qualquer banco. Você mesmo transfere o valor para a poupança, na hora que quiser. Ela é isenta de imposto de renda para pessoas físicas, mesmo assim, o rendimento pode ser inferior ao de outras aplicações.

Táticas para começar a investir e poupar com disciplina

Guardar dinheiro é sempre um desafio. E para quem vive com o orçamento no limite, a dificuldade é maior ainda. Mas, com uma boa dose de disciplina, é possível superar os obstáculos e poupar dinheiro para começar a investir. 

Aproveite os artigos na seção Poupar e Investir na plataforma do Meu Bolso em Dia para saber mais sobre investimentos e ficar por dentro de todas as dicas e táticas para poupar e começar a investir!

Como sair das dívidas

Em um cenário de alta da inflação e crise econômica, é preciso bastante dedicação e comprometimento para superar a inadimplência e sair das dívidas. A boa notícia é que há alguns truques e técnicas que podem ajudar a mudar essa situação. Dê uma lida nos artigos da nossa seção Sair das Dívidas e prepare-se para mudar de vida!

Acessando nossa plataforma, você aprende gratuitamente a se organizar, sair das dívidas e juntar dinheiro para viver com mais tranquilidade. Que tal conferir? Conheça a Plataforma Meu Bolso em Dia.

Concluindo…

Antes de realizar qualquer investimento, é importante conhecer o seu perfil de investidor. Dessa maneira, terá condições de identificar sua tolerância a riscos e descobrirá a categoria de investimento mais adequada para o seu momento de vida. No caso das LCIs e LCAs, conhecer o seu perfil também ajudará no momento de decidir entre títulos que sejam de remuneração pré ou pós-fixada. 

Conhece outras pessoas que investem ou pretendem investir? Ajude-as a saber mais sobre o tema compartilhando essa matéria. E se você quer ter acesso a mais conteúdos exclusivos sobre investimentos, não deixe de acompanhar o conteúdo da plataforma Meu Bolso em Dia!

DESTAQUES