Qual é a melhor maquininha para meu negócio?

Tudo o que você precisa saber para escolher o modelo adequado e lucrar mais com as vendas

22 de março de 2022 5 min. leitura

Poucas pessoas andam com dinheiro no bolso para pagar os produtos e serviços que usam no dia a dia. Por isso, se você vende algo, a dica é oferecer diferentes meios de pagamentos, para não perder a chance de fechar qualquer negócio. Tanto as maquininhas quanto o PIX são acessíveis a  qualquer empreendedor, inclusive profissionais que atuam de forma autônoma, como vendedores de alimentos, cabeleireiros, manicures, podólogos e massagistas, entre outros.

As maquininhas de crédito e débito estão cada vez mais populares e muitas delas já vêm com  QR Code. Segundo dados da Febraban, esse recurso já foi utilizado, em algum momento, por três em cada dez consumidores que têm smartphones. O PIX se tornou o segundo meio de pagamento mais utilizado no país no ano passado, segundo o Banco Central. Em breve, chegam ao mercado novos recursos, como o PIX Aproximação, que irá ampliar as vantagens do PIX para empreendedores.

Na hora de escolher uma maquininha, o desafio é descobrir, entre os muitos modelos de máquinas existentes no mercado, qual é o mais adequado a cada realidade. Para o pequeno empreendedor, as mais comuns são aquelas que não precisam de celular para funcionar, e os leitores de cartão para celulares e tablets.

Cada tipo de maquininha possui características e condições próprias. Confira no quadro abaixo os principais itens que você precisa considerar para não se perder na hora de fazer a sua pesquisa e escolher o mais adequado para você. É importante lembrar que todas as máquinas cobram um percentual sobre as vendas feitas com cartão.

O que levar em conta na hora de escolher sua maquininha

  • Preço do equipamento: Se a opção for pela compra, o investimento inicial é mais alto, mas você evita assumir uma parcela mensal.
  • Mensalidade: Algumas marcas operam com base em um aluguel pelo uso da maquininha. É importante considerar esse valor em seus custos.
  • Taxas: Confira os percentuais descontados de suas vendas a crédito, débito e parceladas. Em alguns casos, as taxas são diferentes para cartões com tarja magnética e cartões com chip. Não esqueça de incorporar essas taxas ao custo do produto ou serviço.
  • Cartões aceitos: Investigue quais bandeiras são aceitas (Visa, Mastercard, American Express, Elo, Hipercard, Diners, etc) e, também, quais são as mais usadas em sua região. Dá para descobrir isso conversando com os donos ou caixas de alguns estabelecimentos próximos. Se você atua no ramo de alimentos, é importante que a maquininha também aceite vales refeição e alimentação.
  • Prazo de recebimento: O prazo para o dinheiro da venda entrar em sua conta pode oscilar de 1 a 30 dias. A taxa, em geral, é maior ou menor dependendo desse prazo.
  • Tipo de Conexão: Veja se o modelo é adequado ao sistema operacional de seu celular (iOS ou Android) e o tipo de conexão exigido (Bluetooth, USB, conector, etc.). Confira, ainda, se a maquininha aceita cartões com tarja e chip.
  • Aproximação: A aproximação está se tornando uma das opções de pagamento mais comuns no Brasil, por sua praticidade. Basta o cliente encostar o chip do cartão na tela da máquina ou em um sensor específico para pagar pela compra. Verifique se a maquininha é compatível com essa modalidade. 
  • Comprovantes: Nem todos os equipamentos permitem a impressão de recibo. Descubra, também, se a operadora oferece algum tipo de aplicativo de gestão ou de acompanhamento das vendas. Esses serviços costumam facilitar a organização financeira do pequeno empreendedor.

Leitores de cartões que não precisam de celular

Funcionam com chip próprio e conexão WiFi, sem a necessidade de conexão com um aparelho de celular ou tablet. Conheça as características de alguns dos modelos existentes no mercado.

Qual é a melhor maquininha para meu negócio?: Tabela de leitores de cartão que independem de celulares. 

Leitores para celulares e tablets

Estes podem ser acoplados ao celular ou tablet, via cabo ou bluetooth, e são compatíveis com os sistemas operacionais Android e iOS. Adequados para vendas móveis, podem ser carregados para qualquer lugar, e têm pouca burocracia na contratação. Veja as taxas e como funcionam alguns dos modelos disponíveis.

Qual é a melhor maquininha para meu negócio?: Tabela de leitores de cartão que podem ser acoplados ao celular ou tablet.

Maquininha ou PIX? Como escolher?

Essa é uma dúvida que passa pela cabeça de muita gente. Afinal, o PIX oferece algumas vantagens em relação à maquininha. As principais são a possibilidade de ter o dinheiro da compra na sua conta imediatamente e a ausência de taxas para quem é microempreendedor individual (MEI). Mas, aqui vai a dica: em vez de escolher, fique com os dois para não perder nenhuma oportunidade de venda.

Afinal, os clientes sempre irão escolher o que é mais prático. Alguém que por acaso esqueceu o cartão em casa, provavelmente irá de PIX. Já os mais apressados, que não têm paciência para desbloquear o celular e conferir sua chave PIX, vão preferir apenas inserir ou aproximar o cartão da maquininha.

As novidades do PIX para facilitar a vida de quem vende

Vale lembrar que, enquanto o PIX Aproximação não chega, dá para aproveitar as outras maneiras de utilizar esse meio de pagamento que está revolucionando as transações financeiras no Brasil.

Se você quer saber mais sobre o PIX e descobrir como ele pode trazer mais agilidade e praticidade para suas vendas, não deixe de ler nossas matérias sobre o assunto. Nelas você vai descobrir tudo sobre o PIX e as funcionalidades que entram no ar em 2022, as funcionalidades do PIX para empreendedores e como usar o PIX com segurança.   

================================================================================

Atualizada em 21 de Março de 2022.

DESTAQUES
ESSE ARTIGO FOI ÚTIL?
CONTEÚDO RELACIONADO