Como educar financeiramente crianças em cada idade

Devo abrir conta corrente ou dar cartão para meus filhos? Confira dicas para tratar o tema nas diferentes faixas etárias

8 de outubro de 2021

educação financeira para crianças de diferentes idades. menino colocando moeda em cofrinho.

A educação financeira está diretamente relacionada à tomada de decisão, por isso, quanto mais cedo pudermos trabalhar esse tema com as crianças, mais preparadas elas estarão para fazer escolhas mais conscientes e usar bem o dinheiro e os produtos financeiros no futuro. Entretanto, não se pode tratar o assunto da mesma forma para todas as idades, já que cada faixa etária tem suas particularidades. Confira algumas orientações para abordar de forma adequada a educação financeira a cada etapa da vida das crianças.

Educação financeira para crianças de 0 a 5 anos

Nesta fase, chamada de primeira infância, a criança tem o período de maior desenvolvimento cerebral e físico. Ela aprende a falar, andar, adquire certa consciência do corpo e começa a se relacionar com familiares e amigos.

O valor da espera

Essa é uma etapa muito rica para dar limites e desenvolver o hábito da espera para se obter o que deseja. Se todas as demandas da criança forem prontamente atendidas, sem que ela aprenda a aguardar o momento certo para receber o que quer, pode ter dificuldade em lidar, no futuro, com restrições no futuro como o limite do salário ou do cartão de crédito, por exemplo.

Assim, é fundamental dizer frases como “agora não”, “aguarde sua vez”, “espere o almoço para comer a sobremesa”, “vamos guardar metade do pacote de biscoitos para mais tarde”, entre outras expressões que ajudem a criança a postergar a satisfação imediata.

Outra maneira de ajudá-la a compreender o valor da espera é convidá-la a preparar uma receita de bolo ou de sorvete que demande tempo para ficar pronta. Ela terá que conter o impulso de saborear o prato antes da hora, mas no momento certo, verá que valeu a pena esperar.

educação financeira para crianças de diferentes idades. menina tomando sorvete

Não ao desperdício

Outra lição a ser aprendida nessa fase é o uso racional de recursos como água, energia e alimentos, que fazem parte do dia a dia da criança, desde que ela nasce e que custam dinheiro, por isso não devem ser desperdiçados. Como ela não tem ainda muita consciência do valor do dinheiro, não adianta usar esse argumento. A melhor maneira de trabalhar esse conceito nessa faixa etária é por meio de jogos e brincadeiras, veja algumas ideias na matéria Como ensinar crianças a economizar energia elétrica.

Criança e consumo

Embora as crianças nessa idade ainda não tenham muito contato com dinheiro, a exposição desde cedo à mídia na internet e na TV estimula o desejo de consumo. Por serem muito fantasiosas, elas realmente acreditam nos efeitos especiais mostrados nas propagandas de brinquedos e são facilmente influenciáveis, por isso, quanto menos contato tiverem com esse tipo de apelo comercial, melhor para não desenvolverem um comportamento consumista.

O Projeto Criança e Consumo do Instituto Alana traz conteúdos e alertas importantes sobre os cuidados que devemos ter ao escolher os canais de comunicação que as crianças devem ter contato. Trocar as idas ao shopping por passeios em família em ambientes ao ar livre, como parques e praças também é uma medida importante para evitar que a criança associe o consumo à convivência com as pessoas que ama.

Educação financeira para crianças de 6 a 9 anos

Nesse período, a criança começa a se alfabetizar, aprende a fazer cálculos, a ponderar e comparar opções, seu raciocínio avança e ela já consegue antecipar as consequências de algumas decisões em um futuro próximo.

Aprender o valor do dinheiro

Ela terá mais contato com o dinheiro e começará a tomar decisões, seja para comprar o lanche na escola, um sorvete ou brinquedo a caminho de casa. É importante deixá-la manusear o dinheiro, pedir que ela acompanhe você até a padaria e que faça compras. Levá-la com você ao mercado pode ajudá-la a se familiarizar com as transações financeiras e entender quanto vale cada nota, cada moeda. Fazendo isso, ela também aprende a verificar se o troco está correto, comparar preços, analisar se algo está caro ou barato, entre outras noções de valor.

Ponderar opções

Uma boa maneira de evitar que a criança fique pedindo para você comprar tudo que ela vê pela frente é dar um limite de valor ou de unidades a serem compradas. Por exemplo, ao chegar no mercado, diga a ela que poderá escolher até duas guloseimas.

Caso ela escolha um terceiro produto enquanto estiverem passeando pelas gôndolas, peça para que ela escolha um dos itens para devolver. Assim, ela saberá que o dinheiro é limitado e que não se pode ter tudo, é preciso abrir mão de uma opção para ter outra.

educação financeira para crianças de diferentes idades. mãe e filha fazendo compras no supermercado.

Definir objetivos

Outra boa lição nessa fase é incentivar a criança a criar metas para estimular o hábito de poupar. Digamos que ela gaste R$ 2,00 todos os dias para comprar um chiclete. Que tal convidá-la a multiplicar o valor desse chiclete por 30 dias, para que ela entenda quanto pode economizar em um mês?

O cofrinho e a semanada são ótimos recursos para ajudar a criança a compreender o resultado de seu esforço e gerenciar o dinheiro que recebe, mas é fundamental que ela realmente conquiste o que deseja.

Não adianta dar um cofrinho e um valor semanal para a criança e continuar comprando tudo que ela pede, enquanto ela guarda o dinheiro dela. A criança precisa sentir a frustração de deixar o chiclete de lado para juntar o valor suficiente para seu objetivo. Só assim, terá a satisfação da conquista.

Educação financeira para crianças de 10 a 14 anos

Na fase seguinte, a criança caminha para a adolescência e deseja autonomia, quer ser responsável por suas decisões. Embora ainda sob supervisão dos adultos, ela já pode assumir novas responsabilidades.

Tarefas remuneradas

Não se deve pagar a uma criança para realizar tarefas que são sua obrigação, como arrumar a cama, cuidar de pets e fazer o dever de casa. É muito importante que a criança compreenda que vive em uma comunidade e que todos os que dividem o mesmo ambiente devem colaborar com a limpeza, a organização e a rotina doméstica.

Entretanto, é possível incentivar a criança a pensar em formas de ganhar algum dinheiro e engordar sua poupança, como vender brinquedos usados, passear com o cachorro do vizinho, lavar o carro, ajudar na pintura da casa, entre outros.

Conta corrente bancária

Como ela já está familiarizada com os números, vale a pena abrir uma conta corrente, se possível remunerada, uma conta mesada ou poupança para que ela guarde seu dinheiro e veja concretamente o rendimento de suas aplicações.

Atualmente, várias instituições financeiras oferecem a possibilidade de abrir conta para menores de idade. Para isso, basta ter RG e CPF dos menores e de um responsável, que deve ser o pai ou a mãe. Alguns bancos também vinculam ações de educação financeira e atividades gamificadas para incentivar a criança a receber recompensas por tarefas ou missões.

Para ensiná-la a usar bem o dinheiro, o ideal é definir uma data certa para os depósitos e deixá-la administrar o valor ao longo do período, sem fazer depósitos extras caso ela gaste o dinheiro. Assim, ela aprenderá que o dinheiro acaba se não for gerenciado com eficiência.

Cartão de crédito

A decisão de dar um cartão de crédito para uma criança ou jovem vai depender muito de como ela se comportou até aqui com os demais desafios. Se ela souber administrar o dinheiro do cofrinho, da mesada e da conta corrente, pode ser que esteja pronta para exercitar o uso do cartão.

Mas lembre-se que duas características muito marcantes dos jovens são a impulsividade e o desejo de pertencer ao grupo. Na companhia dos amigos, eles podem ser facilmente fisgados pelas tentações de consumo. Portanto, vale tomar cuidado, observar muito bem o comportamento e ensiná-los a ler a fatura do cartão, a entender o significado de limite de crédito e a conhecer as consequências do descontrole no uso desse instrumento.

educação financeira para crianças de diferentes idades. grupo de jovens.

Educação financeira para jovens a partir dos 15 anos

O jovem que recebeu essas orientações durante a infância estará muito mais preparado para lidar com os desafios que virão com a escolha profissional – morar com os amigos, administrar o primeiro salário, comprar roupas, viajar e realizar seus próprios planos.

Aprender com os erros

Mesmo que tenha experimentado a educação financeira desde pequeno, o jovem agora terá que tomar suas decisões e assumir a responsabilidade por elas. O melhor a fazer nesse momento é deixá-lo errar e consertar seus erros sozinho.

Pode ser duro ver um filho entrando em dívidas, gastando mais do que deve, ficando com o nome sujo, mas é importante dar espaço para suas experiências financeiras enquanto ainda tem pouco a perder.

Quando os pais socorrem os filhos constantemente, estão dizendo a eles que não têm capacidade para lidar com seus próprios desafios. Se quiser criar um filho com autonomia, deixe-o errar e aprender com os erros.


Conteúdos Relacionados