Água no seu dia a dia e como economizar

Saiba como gastar menos com a conta de água, aprenda a calcular a sua pegada hídrica e descubra a água escondida nos produtos que você consome

22 de março de 2021

dicas de como economizar água no seu dia a dia e nos produtos que consome

Chuvas intensas em um período, racionamento de água em outro. As crises de água se tornam cada vez mais frequentes no cotidiano do brasileiro e chamam a atenção para a necessidade de repensar o uso desse precioso recurso. Em algumas regiões onde as pessoas convivem com a seca, é comum o hábito de cuidar da água, sem desperdiçar. Mas em outras, em que esse recurso é próximo e abundante, nem sempre é assim.

O Brasil é o país com maior disponibilidade de água doce do mundo, representando 12% do volume total do planeta. Mas há uma série de questões que dificultam a chegada da água às residências de todos os brasileiros. E, além de abastecer a população, a água é usada na irrigação e na produção de alimentos, na geração de energia elétrica, na rede de esgotamento sanitário e em muitos processos industriais.

Em todos esses setores, o desafio é reduzir o uso desse recurso para que possamos continuar a contar com ele no futuro. Mas e você, o que pode fazer? É o que mostramos a seguir. Você vai aprender a reconhecer a água invisível que você usa no dia a dia e a calcular a sua pegada hídrica.

Economizar água significa, também, mais dinheiro no bolso. Afinal, a conta de água, junto com a conta de luz, têm um peso significativo no orçamento doméstico. Para reduzir o gasto de energia, a dica é ler esta matéria aqui: Fique atento para não apagar as suas economias!

Coisas que consomem água e você, possivelmente, não vê

A água está presente de forma visível e, muitas vezes, invisível em nosso dia a dia. Para economizar em coisas comuns como banho, higiene bucal, lavar o quintal, lavar louça e roupa, entre outras ações cotidianas, veja as dicas da matéria: Da torneira para o bolso - Elimine o desperdício de água.

Mas é importante saber, também, reconhecer a chamada água invisível, que é utilizada em coisas que fazem parte nosso dia a dia. Para trazer exemplos práticos para você, buscamos informações na WaterFootprint, organização internacional responsável pela criação de métricas para cálculo e difusão de conhecimento sobre a pegada hídrica, no relatório Mind your Step, que calcula a pegada ecológica de uma série de itens (disponível apenas em inglês), no site do Instituto Akatu de Consumo Consciente e na Embrapa.

Água no celular?

Sim, a fabricação de um único celular consome cerca de 12.760 litros de água. Desse total, 40% são referentes ao processo de fabricação e montagem, 40% à obtenção de materiais brutos usados no produto e 14% aos seus componentes eletrônicos. Esse montante equivale à quantidade de água transportada por um caminhão-pipa médio e corresponde a aproximadamente 160 banhos – mais de cinco meses de banhos diários de um cidadão.

Calça jeans e camiseta de algodão

O algodão é uma das culturas que mais utiliza água em seu processo de cultivo. A irrigação das sementes que irão gerar uma tonelada de algodão chega a gastar, em média, 9.900 litros em água (120 banhos!). Utilizando essa base e considerando o processo de fabricação, uma única calça pode consumir 4.247 litros de água. Já uma camiseta de algodão consome em média 3.900 litros de água.

Carne bovina

A carne bovina é um alimento que tem um alto consumo de água em seu ciclo de produção, que engloba desde a irrigação dos alimentos consumidos pelo animal, a água que eles bebem, a utilizada na limpeza de currais, em abatedouros e no processo industrial de preparo da carne a ser distribuída para o varejo. Um quilo (um mesmo) de carne bovina tem uma pegada hídrica de 15.500 litros de água (média mundial, de acordo com dados da Embrapa).

Leia também: Carne no prato todo dia?

Uma barra de chocolate

Mas o campeão mesmo do consumo de água, entre os alimentos, é o chocolate. Dados coletados para o Mind your Step revelam que uma única barra de 100 gramas de chocolate utiliza, em seu ciclo de fabricação, 1.400 litros de água. O alto consumo acontece, principalmente, na lavoura do cacau.

Outros alimentos que estão na sua mesa

A WaterFootprint calcula a pegada hídrica de muitos outros alimentos. A lista abaixo mostra a quantidade de água consumida para que um quilo de produto chegue à sua mesa.

  • Vegetais: 322 litros
  • Frutas: 962 litros
  • Cereais: 1.644 litros
  • Nozes: 9.063 litros
  • Leite: 1.020 litros
  • Ovos: 3.265 litros
  • Frango: 4.325 litros
  • Manteiga: 5.553 litros
  • Carne suína: 5.988 litros

Água na cerveja do happy hour

A água é um dos principais ingredientes na indústria da cerveja. Para cada litro de bebida produzida no Brasil são gastos, em média. 4,5 litros de água, de acordo com a CervBrasil, a associação que representa 96% da indústria cervejeira do país. Além da bebida, é utilizado um grande volume de água na limpeza e esterilização dos equipamentos de fabricação da bebida.

Copo descartável gasta menos água?

Engana-se quem pensa que usar descartáveis em vez de lavar a louça gera economia de água. A produção de copos, por exemplo, envolve o derretimento do plástico, sua colocação em formas e resfriamento. Esse processo utiliza muita água. Segundo dados do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo apresentados neste documento da Unicamp, são necessários 500 mil de água para produzir um único copo descartável. A lavagem de um copo de vidro na pia utiliza cerca de 400 ml. A lavagem na máquina é ainda mais econômica e gasta apenas 100 ml por copo, isto é, apenas 20% do que é gasto para se produzir um copinho plástico.

Como a crise hídrica pode afetar você

Desde 2013, a crise hídrica tem sido progressiva em algumas regiões do Brasil, como São Paulo e Distrito Federal, levando autoridades a adotarem o racionamento de água para garantir o abastecimento de toda a população. Nesse cenário, evitar desperdícios é ainda mais importante. Lembrando que a água, além de garantir a existência de todos os seres vivos, participa do equilíbrio da diversidade e ajuda a regular o clima da Terra. A escassez pode representar, portanto, risco à vida.

Como calcular sua pegada hídrica

A pegada hídrica é o volume de água doce consumido diretamente pelas pessoas e utilizado na produção, distribuição e consumo de produtos que estão presentes em nosso cotidiano. Ela ajuda a entender a importância da água em toda a cadeia produtiva e a quantificar o impacto das pessoas, empresas, governos e nações no uso desse recurso natural.

Conhecer a pegada hídrica é importante, por exemplo, para que as empresas entendam os riscos de uma eventual escassez de água para seus negócios ou para que os países conheçam o quanto as suas economias dependem da água. Para os consumidores, a pegada hídrica ajuda a enxergar a água que está oculta nos produtos que usam. A principal finalidade dessa ferramenta é impulsionar ações para o uso sustentável, eficiente e equitativo da água.

A principal ferramenta para cálculo de pegada hídrica e a mais utilizada em todo o mundo é a WaterFootprint. São duas calculadoras de pegada hídrica individual: uma simples e outra mais aprofundada.

A calculadora simples possibilita uma rápida comparação da sua pegada hídrica com a de pessoas ou setores da sociedade, com base no país de residência, gênero, dieta alimentar e valor gasto anualmente. Já a calculadora aprofundada, além de considerar esses dados, faz um cálculo minucioso por quilo de produto consumido durante uma semana, por exemplo.

Ambas estão disponíveis apenas em inglês e consideram valores monetários em dólares em vez de reais. A dica é fazer o cálculo da pegada hídrica pessoal utilizando o tradutor do Google ou de algum aplicativo e um conversor monetário (reais x dólares) que pode ser encontrado facilmente na internet.

Dicas para reduzir o consumo de água

Evite compras desnecessárias

Antes de fazer qualquer compra, reflita sobre a necessidade de adquirir aquele item. Se for usar pouco, que tal pegar emprestado? Em vez de novo, e se você comprar um item usado (e mais barato) ou fazer uma troca com outra pessoa? Com isso, você evita o impacto negativo da produção de novos itens e ainda economiza dinheiro! A gente dá um montão de dica nestas matérias aqui: Bons negócios de segunda mão – Vantagens de comprar produtos usados.

Pratique economia circular

Promova feiras de trocas com os amigos e familiares. Em tempos de pandemia, elas podem ser feitas online e os itens trocados mandados pelo correio ou deixados na porta de casa, se for perto. Inúmeros artigos como roupas, móveis, acessórios, bijuterias, livros, entre outros, podem ser reaproveitados e ganhar uma nova vida nas mãos de outra pessoa. Outra dica é compartilhar bens e serviços. Se possível, alugue-os temporariamente ou combine o uso comunitário, entre várias pessoas. A gente conta um pouco mais sobre isso aqui: O novo saiu de moda! A onda agora é compartilhar!

Menos descartáveis mais água

Dê preferência aos itens duráveis, lembrando que descartáveis, além de tudo, podem acabar indo parar na natureza, poluindo o ambiente, ou no mar, colocando em risco a vida de animais marinhos. Usar a louça de vidro, cerâmica ou porcelana é uma boa pedida porque você gasta menos com o reaproveitamento diário e gera menos lixo.

Torne sua lista de compras mais sustável

Produtos de limpeza e higiene concentrados utilizam menos água em sua produção e transporte. E ainda podem reduzir os gastos no supermercado. Veja: 15 truques para economizar com produtos de limpeza. Já vimos que a produção de alimentos consome muita água. Por isso, é importante planejar o cardápio da semana antes de ir ao mercado ou à feira, evitando compras desnecessárias.

Vale refletir, também, sobre o consumo cotidiano de carnes. Veja os impactos do consumo de carnes no bolso e na saúde e as dicas para fazer trocar no cardápio. Outra boa pedida é preferir alimentos produzidos próximos ao local onde você mora. Você encontra dicas bacanas nesta matéria aqui: Um novo jeito de pensar e viver suas escolhas.

Diversão com conhecimento

Para fazer do seu tempo de lazer um “plantar de consciência verde'', trazemos aqui algumas dicas de filmes, livros e jogos que tratam a temática da água. Essas são boas formas de integrar a família nesse conhecimento e envolver todos no esforço para reduzir o consumo desse recurso.

The Water Law: A Lei da Água, de 2016, é um documentário que trata do novo código florestal e como essa lei impacta diretamente a floresta, a água, o ar e a fertilidade do solo. Ele foi produzido a partir de 37 entrevistas com ambientalistas, ruralistas, cientistas e agricultores brasileiros.    

Oceanos de Plástico: O documentário de 1h42m de duração trata de uma investigação dos impactos do plástico na água e do risco da poluição para vida marinha e humana. Para os fãs de documentários sobre natureza e ecologia. Disponível no Netflix.
Memo Água: Um jogo da memória que traz, a cada acerto, uma curiosidade relacionada à água. Uma ótima alternativa para aproximar as crianças de 8 a 14 anos do tema. Disponível na plataforma Escola de Games.

Pegada Hídrica: O livro, de Vanessa Empinotti, traz conteúdo para quem deseja se aprofundar no assunto. A autora traz uma proposta de mudança na estratégia da gestão da água, explorando o tema a partir da perspectiva de autores brasileiros e estrangeiros que trabalham a governança da água, serviços ecossistêmicos e processos produtivos.


Conteúdos Relacionados