Comportamento empreendedor 10: Independência e autoconfiança

Entenda a relação entre sua independência e autoconfiança e a saúde financeira do seu negócio e veja dicas para desenvolver essas habilidades.

Comportamento empreendedor 10 Independência e autoconfiança
31 de maio de 2022 6 min. leitura

Conteúdo produzido pelo Sebrae-MG para o Meu Bolso em Dia

Chegamos ao último, de uma série de 10 comportamentos de empreendedores de sucesso, mapeados pela Organização das Nações Unidas (ONU), trabalhados pelo Sebrae no Empretec e que foram apresentados aqui, no blog do Meu Bolso em Dia ao longo de 10 meses. Esperamos que eles tenham inspirado você, que busca investir no seu potencial empreendedor e na gestão do seu negócio e que percebe a importância do desenvolvimento de atitudes pessoais para o sucesso da sua empresa.

Para o Sebrae, os empreendedores que desenvolvem os comportamentos de independência e autoconfiança adquirem autonomia para agir e manter sempre a confiança no sucesso. Um empreendedor que possui essas características:

  • Confia em suas próprias opiniões mais do que nas dos outros;
  • É otimista e determinado, mesmo diante da oposição; e
  • Transmite confiança na própria capacidade.

Não foi por acaso que essa foi a última característica a ser tratada aqui. Para que o empreendedor desenvolva a sua independência e, também, a sua autoconfiança, é necessário que ele utilize todos os outros nove comportamentos trabalhados. Assim, eles servirão como seu alicerce em momentos de tomada de decisões:

1.      Busca de oportunidades e iniciativa

2.      Persistência

3.      Correr riscos calculados

4.      Exigência de qualidade e eficiência

5.      Comprometimento

6.      Busca de informações

7.      Estabelecimento de metas

8.      Planejamento e monitoramento sistemáticos

9.      Persuasão e de rede de contatos

Quando se deparar com alguma situação que exige o seu posicionamento, o empresário já precisa ter um planejamento embasado em boas informações, agir de maneira persistente, ter ideia dos riscos que determinada atitude vai gerar para o negócio, ter as suas metas bem estabelecidas, se comprometer a entregar com qualidade e de maneira eficiente.

Enfim, é necessário estar com todos os nove comportamentos, citados anteriormente, muito bem alicerçados, para que a sua posição de autoconfiança não seja confundida com arrogância e especulação.

A seguir, vamos compreender um pouco melhor os detalhes sobre as ações dos empreendedores que possuem independência e autoconfiança bem desenvolvidas.

O empreendedor que tem independência e autoconfiança:

Confia em suas próprias opiniões mais do que nas dos outros

A autoconfiança está diretamente associada ao autoconhecimento. É necessário conhecer a si mesmo e, também, conhecer a sua empresa, para que seja possível formar opiniões concretas e que façam sentido para a real situação do negócio. O empreendedor que possui os comportamentos de independência e autoconfiança bem desenvolvidos busca a liberdade em momentos de tomada de decisões.

Atenção! Não confunda autoconfiança com arrogância. Ignorar outras opiniões que possam ser relevantes e importantes para a tomada de decisões não é a melhor escolha. Prefira se planejar para construir a base de conhecimento sobre o seu negócio, apoiado nos outros comportamentos empreendedores de sucesso, para criar uma lógica nas suas estratégias e garantir uma tomada de decisão mais certeira. Assim, não será preciso agir apenas pautado pela influência da opinião de terceiros.

É otimista e determinado, mesmo diante da oposição

A atividade empreendedora é marcada por altos e baixos. As dificuldades vão existir e é necessário saber contorná-las para manter o seu negócio ativo. Muitas vezes, diante dos momentos difíceis, pode ser comum ouvir muitas opiniões como, por exemplo: “O seu negócio não vai durar”, “Acho melhor você fechar, para não ter um prejuízo maior” ou mesmo “Tem certeza de que vale a pena continuar?”.

São comentários como esses que podem fazer com que empreendedores desistam de sua atividade. Mas, para aqueles que possuem independência e autoconfiança, a visão sobre a situação da empresa e sobre quais atitudes deve tomar para contornar as situações de dificuldade já está bem definida. Assim, decisões precipitadas, com base somente em opinião de terceiros, não são tomadas e o empreendedor consegue seguir em frente com o seu ponto de vista.

Transmite confiança na própria capacidade

De novo, para enfrentar uma tarefa difícil ou um desafio, o primeiro passo é confiar na própria capacidade de resolver os problemas. E essa confiança você só desenvolve através da união de todas as características do comportamento empreendedor, utilizadas em conjunto.

Transmite confiança na própria capacidade

Para desenvolver a independência e a autoconfiança, o empreendedor precisa estar conectado a todas as outras nove características do comportamento empreendedor citadas anteriormente. Além de estar em dia com a saúde financeira da sua empresa. Dessa forma, fica muito mais fácil tomar decisões.

Como manter em dia a saúde financeira da sua empresa

Uma boa saúde financeira pode ser causa e consequência para a independência e autoconfiança. Então, precisamos persegui-la! Ouvimos por diversas vezes as pessoas dizerem que desejam possuir uma boa saúde financeira. E é provável que nós mesmos já tenhamos manifestado alguma preocupação com a nossa própria. É interessante como usamos a palavra “saúde” para falar de dinheiro.

Vale a pena dar uma olhada no significado dessa palavra antes de fazer considerações sobre o que fazer e o que não fazer com nossas finanças e as da nossa empresa. Uma rápida busca ao dicionário nos leva a definições como “estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o ambiente”, “bem-estar”, “estado de normalidade de funcionamento do organismo humano”, entre tantas outras.

É justamente porque a nossa relação com o dinheiro precisa do equilíbrio e porque essa relação é capaz de trazer bom funcionamento, bem-estar e autoestima, que costumamos usar o termo saúde financeira com tanta frequência. De cara, fica a pergunta: sua relação com o dinheiro é equilibrada?

Para atingir esse equilíbrio, devemos pensar que, assim como para alcançar uma boa saúde do corpo devemos adotar bons hábitos, o mesmo deve acontecer com nossas finanças. São os bons hábitos do dia a dia que irão nos permitir alcançar objetivos financeiros, seja no curto, médio ou no longo prazo. Por exemplo, será que sei exatamente com o que eu ou minha empresa estamos gastando? Consigo identificar aqueles hábitos que têm sido os vilões da minha vida financeira?

Analisar de maneira direta e realista questões como essas, pode ser o primeiro passo para assumir uma posição de controle das finanças. O conhecimento do real cenário financeiro do negócio auxilia no momento de tomada de decisões, onde o empreendedor precisa manter um ponto de vista mesmo diante da oposição ou de resultados inicialmente desanimadores, como vimos anteriormente.

Como manter em dia a saúde financeira da sua empresa

Outro grande aliado de uma boa saúde financeira é o planejamento, que pode ser colocado em prática através de uma ferramenta simples chamada orçamento. Seja o orçamento da empresa ou da família, é nele que anotamos tudo que esperamos receber e gastar em uma data futura. Esse exercício de pensar no futuro me permite identificar problemas, lacunas, maus hábitos e, assim, pensar em soluções.

Além disso, o processo de cuidar do dinheiro é cheio de nuances e de mudanças. Voltando à primeira definição apresentada para saúde, vemos a palavra “dinâmico”. Nossa relação com o dinheiro é dinâmica! E precisamos reconhecer isso. Bons momentos financeiros podem ser seguidos de despesas inesperadas, perda de renda ou surpresas desagradáveis. Acompanhar e planejar sempre devem ser a tônica dessa relação.

Por fim, assim como para nosso corpo, também para o nosso "bolso" cabe a recomendação do autoconhecimento. Afinal, o autoconhecimento é a base da autoconfiança. Para ter confiança em si mesmo e em suas decisões, é preciso se conhecer. Pergunte-se sempre: como sou eu no trato com o dinheiro? Sou impulsivo? Planejado? Corro riscos desnecessários? Sou ponderado? Ou arrojado? Conhecer a si mesmo já é, por si só, um passo enorme no caminho para uma vida financeira equilibrada e com bem-estar.

E aí, vamos começar a pensar como anda a sua saúde financeira para potencializar sua independência e sua autoconfiança?

DESTAQUES