Comportamento empreendedor 8: Comprometimento

Veja como o comprometimento com a gestão financeira influencia o sucesso da empresa e confira as características desse comportamento empreendedor

Comprometimento com a gestão financeira
18 de março de 2022 5 min. leitura

Conteúdo produzido pelo Sebrae-MG para o Meu Bolso em Dia

Um erro comum de alguns empreendedores é acreditar que basta oferecer um bom produto ou prestar um bom serviço que o sucesso do negócio está garantido. Ter produtos ou serviços de qualidade é condição necessária, mas não é suficiente. É preciso ir além: para o bom desempenho da empresa é preciso comprometimento!

O termo comprometimento se originou da palavra em latim compromissos, que simbolizava o momento em que duas pessoas faziam uma promessa recíproca entre si. Ou seja, os dois lados teriam que se esforçar para garantir que um objetivo fosse alcançado, caminhando juntos. Vamos combinar que esse conceito não está longe daquele que entendemos, hoje, como significado da palavra comprometimento, não é mesmo?

Seja em um relacionamento entre duas pessoas, entre uma pessoa e um projeto ou causa ou, também, entre uma pessoa e uma empresa, comprometer-se exige esforço, persistência e muita dedicação.

Para o Sebrae, o comprometimento é uma importante característica empreendedora e envolve sacrifício pessoal. E, quando há uma empresa envolvida, também exige colaboração com os funcionários e esmero com os clientes. O empreendedor que possui esse comportamento:

·         Traz para si mesmo as responsabilidades sobre sucesso e fracasso;

·         Atua em conjunto com a sua equipe para atingir os resultados; e

·         Coloca o relacionamento com os clientes acima das necessidades de curto prazo.

Ao longo deste texto, vamos conhecer mais detalhes sobre cada uma dessas características e como o comprometimento com a gestão financeira de uma empresa pode fazer toda a diferença para o seu sucesso!

Comprometimento organizacional

Se um empreendedor espera que a sua empresa lhe proporcione um retorno positivo, será necessário esforço por parte dele e da sua equipe para que o resultado esperado seja alcançado. Aqui voltamos ao que falamos anteriormente, da questão da reciprocidade, lembra? Se você quer que a sua empresa tenha sucesso, também precisa se comprometer para alcançar esse objetivo.

Existem, na literatura, três tipos principais de comprometimento entre indivíduos com as organizações. São eles:

  • Comprometimento afetivo: está relacionado com o desejo de continuar fazendo parte do negócio. Fazer parte do negócio é visto como uma realização pessoal.
  • Comprometimento instrumental: é voltado para a necessidade (que pode ser financeira ou pela falta de outras alternativas no mercado, por exemplo) de trabalhar naquela empresa.
  • Comprometimento normativo: é a obrigação moral em permanecer trabalhando na organização. Nesse caso, há grande sensação de pertencimento, por parte do empregado ou empreendedor.

Uma pessoa pode ter diferentes níveis de cada um dos comprometimentos citados, fazendo com que sejam variados os motivos pelos quais cada pessoa permanece em uma organização.  

Comprometimento organizacional

Para aqueles empreendedores que agem de maneira comprometida com o seu negócio, é comum que:

  • Tragam para si mesmos as responsabilidades sobre sucesso e fracasso: se existe um problema que pode afetar diretamente a conclusão de um determinado trabalho, é fundamental assumir a responsabilidade que lhe foi dada e encontrar uma solução para que aquele trabalho seja concluído com sucesso. Isso vale para empresários e colaboradores. Transferir a culpa pela ocorrência do problema para terceiros não vai resolvê-lo!
  • Atuem em conjunto com a sua equipe para atingir os resultados: em complemento ao comportamento anterior, caso seja percebido que algum dos colaboradores precisa de ajuda para terminar uma tarefa, a colaboração é essencial! Só não deixe isso se tornar um hábito e busque compreender os motivos pelos quais a ajuda está sendo necessária naquele momento.
  • Coloquem o relacionamento com os clientes acima das necessidades de curto prazo: isso quer dizer que, se a sua empresa promete algo para o cliente, ela precisa cumprir. Colocar em risco a imagem da empresa para obter lucros rápidos ou no curto prazo, ao invés de prezar pela relação com o cliente no longo prazo, não é a melhor maneira de construir uma relação sólida e sustentável com o cliente e, portanto, de se buscar a perenidade do negócio.

Uma das atitudes que também podem influenciar no sucesso de um empreendimento é o comprometimento com a gestão financeira do negócio. Veremos a seguir alguns pontos de atenção sobre a importância de se comprometer com as finanças.

A importância de se comprometer com a gestão financeira de um negócio

A gestão financeira de uma empresa não pode ser deixada de lado, pelo contrário, precisa ser foco de muita atenção e zelo por parte do empreendedor. Ela possui uma relevância enorme por uma série de razões.

Vamos imaginar que uma empresa, devido a uma gestão financeira inadequada, não está conseguindo honrar os compromissos com seus fornecedores. Qual a consequência disso? Eles não irão mais fornecer produtos ou insumos. Assim, a produção pode parar ou a área de vendas ficar desabastecida. Com menos vendas, o faturamento poderá desabar e os recebimentos de clientes cairão bastante. Como a empresa irá quitar os compromissos já assumidos?

Diante dessa pergunta, percebemos o quão importante é o comprometimento do empreendedor em honrar os compromissos da empresa perante os seus fornecedores.

Outra questão importante é que erros em outras áreas podem afetar as finanças do negócio. Escolher uma localização errada para uma loja, por exemplo, pode gerar um movimento pequeno de carros e pessoas, não trazendo a movimentação esperada, gerando baixo faturamento e, até mesmo, prejuízos para a empresa.

Qual a consequência das poucas vendas? Provavelmente, levarão a dificuldades para honrar os compromissos. Problemas com a qualidade do produto fabricado também podem desencadear prejuízos. Produtos de má qualidade são menos vendáveis, podem gerar insatisfação pós-venda, dentre outros fatores que impactam nas finanças. Isto permanecendo, em pouco tempo, a empresa pode não conseguir mais pagar as contas e honrar seus compromissos financeiros.

Não há outra saída para evitar todas essas situações a não ser melhorar a gestão financeira do negócio: uma boa gestão financeira acontece em três etapas. Vamos a elas:

Registro das informações financeiras
Registro das informações financeiras

A primeira delas é o registro de todas as informações financeiras do negócio: vendas, compras, pagamentos, recebimentos. E, nesse caso, não há meio termo. Quando se fala em todas as informações, isso quer dizer que são necessárias todas elas. Quase todas é a mesma coisa que nada. Exerça aqui o comprometimento! A forma de registro dessas informações é o menos importante. Ele pode ser feito em um sistema, em uma planilha eletrônica ou até mesmo em um livro caixa. O que importa é fazê-lo.

Esta etapa pode parecer maçante e chata, mas, acredite, vale a pena (e é fundamental) comprometer-se com ela!

Organização em ferramentas de controle financeiro

Agora sim, depois de serem registradas, essas informações podem (e devem!) ser organizadas em ferramentas de controle financeiro. As principais delas são a DRE, o fluxo de caixa e o balanço patrimonial. A DRE (Demonstrativo do Resultado do Exercício) mostra as receitas e despesas de um negócio em um determinado período. Desta forma, é possível levantar o resultado do mês, do ano, do período e saber se a empresa está tendo lucro ou prejuízo.

Além disso, assim podem-se mapear as receitas e despesas. Saber quais são as mais importantes e aquelas onde será necessário um acompanhamento mais de perto. Outra ferramenta financeira básica, mas de extrema importância, é o Fluxo de Caixa, que mostra se a empresa está gerando dinheiro na velocidade e na quantidade necessárias para enfrentar os compromissos assumidos. Já o Balanço Patrimonial é uma fotografia da situação econômico-financeira da empresa naquele momento.

Análise dos dados

A terceira etapa é a análise dos dados. Compreender o que as informações coletadas e organizadas estão dizendo sobre o negócio, quais as notícias positivas e quais as preocupações estão no horizonte dão ao empreendedor condições ou para manter a estratégia ou para corrigir os rumos do negócio.

Com mais informações, a assertividade na tomada de decisões do empreendedor irá aumentar. Apesar de ser a última e mais importante etapa, a análise está diretamente ligada às anteriores, ou seja, à qualidade das informações levantadas.

Em resumo, ter ou não ter comprometimento para se alcançar uma boa gestão financeira explica bastante sobre um negócio prosperar enquanto outro não consegue avançar. Em qual direção você quer que seu negócio caminhe?

DESTAQUES