4 conquistas para realizar antes dos 30 anos

Como aproveitar essa fase para impulsionar novas experiências e possibilidades na vida

6 de novembro de 2020

Como aproveitar essa fase para impulsionar novas experiências e possibilidades na vida


Quando começamos a trabalhar e ganhar nosso próprio dinheiro também começamos a fazer planos. Alguns querem logo financiar a moto ou o carro e outros sonham com conquistas a serem obtidas mais no longo prazo. O fato é que, nessa fase que vai até os trinta, trinta e poucos anos, é importante dar atenção a coisas que possam impulsionar novas experiências e possibilidades na vida.

Completar ou ampliar os estudos, aprender línguas estrangeiras e viver em outra cidade ou país são algumas dessas realizações que podem fazer toda a diferença no futuro. Isso porque elas trazem aprendizados, ajudam a gente a se preparar melhor para uma vida profissional bem-sucedida e aumentam a chance de ter melhores salários.

Outra atitude que deve fazer parte da rotina assim que os primeiros salários começam a entrar, é formar uma reserva financeira para ter tranquilidade em situações inesperadas e, também, ter a chance de fazer escolhas em determinados momentos. Escolhas como trocar de emprego, mudar de profissão ou sair da casa dos pais, por exemplo.

A seguir, você entende melhor e confere algumas dicas para cada uma dessas situações.


1. Avançar nos estudos

Quanto maior a escolaridade, maior a probabilidade de se manter empregado e de ter rendimentos mais elevados. É o que mostra o relatório Education at a Glance 2020 (visão geral da educação em 2020) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O estudo mostra que, no Brasil, a empregabilidade na faixa dos 25 a 34 anos é de 61% para quem não tem o ensino médio, de 73% para quem tem o ensino médio completo e de 85% para quem tem um curso superior. Trabalhadores que têm uma faculdade ganham 144% a mais do que aqueles que possuem apenas o ensino médio no país.

Ou seja, estudar faz a roda do futuro girar a seu favor. Ainda que você não tenha condições financeiras de ir direto do ensino médio para o superior, é importante ter um plano para isso. Carmem Müzel, 29 anos, começou a trabalhar como vendedora numa ótica de bairro em São Paulo assim que terminou o ensino médio e, batalhando, fez o curso de Administração e conseguiu emprego na área patrimonial de um grande banco de varejo. Quatro ano depois, já formada e com mais tranquilidade financeira, resgatou o sonho que tinha no ensino médio: fazer arquitetura. Em 2019, concluiu a sua segunda faculdade.

Já Camila Vieira, de 26 anos, cumpriu uma exigência vinda dos pais: fazer uma faculdade a qualquer custo. Como seu pai trabalha em uma instituição de ensino, em São Paulo, ela contou com a sorte de cursar Rádio e TV com bolsa integral e acabou adorando. Mais tarde, conseguiu emprego na área de programação de uma grande emissora de televisão.

Como Camila e Carmem, muitos jovens têm conseguido se firmar em uma carreira a partir dos estudos, mostrando que investir em educação aumenta a renda.

 

2. Dominar novos idiomas

Quando mais cedo você aprender uma nova língua, mais oportunidades terá no futuro. É o que mostra uma pesquisa realizada pelo Catho, um dos maiores sites de classificados de empregos do país. Segundo a empresa, quem tem um segundo idioma consegue aumentar seu salário em 52%, além de ter mais chances de ser promovido e, até mesmo, de ser contratado.

Tem, também, maior flexibilidade para dar uma guinada na carreira. A Camila Vieira, por exemplo, estuda inglês desde os 15 anos. Trabalhando como recepcionista, ela conseguiu guardar dinheiro e fazer sua primeira viagem internacional aos 21 anos, quando foi para Toronto, no Canadá. Depois, já trabalhando na emissora de TV, saiu de férias e foi estudar em Los Angeles (EUA). De volta ao Brasil, fez mais uma reserva financeira, saiu da emissora e voltou aos Estados Unidos para aprender mais. Resolveu, então, transformar a paixão pela língua inglesa em atividade profissional. Hoje, ela dá aulas crianças em uma escola privada.

A melhor notícia é que é possível aprender uma língua estrangeira sem gastar ou pagando pouco por bons cursos online. Instituições como o Senac e Universidade de São Paulo ou em plataformas como Duolingo, Coursera e Veduca oferecem cursos gratuitos e de baixo custo. Veja também esta curadoria de cursos gratuitos feita pela Catraca Livre e procure outras opções na internet. Estudar línguas é fundamental para fazer intercâmbio ou ter outra vivência no exterior. Leia também: Truques para juntar dinheiro e estudar.

 

3. Morar fora de sua cidade natal 

Sair da casa dos pais já é, por si, uma experiência que traz maturidade e crescimento pessoal. É quando você aprende a ser virar para resolver as mais diferentes situações que vão surgindo pela vida. Imagina, então, o que significa morar em outra cidade ou, quem sabe, em outro país. A primeira etapa da vida adulta costuma ser a mais propícia para adquirir essa experiência, já que os laços de carreira e a constituição de família costumam acontecer mais tarde.

Mudar de ares pode ser importante para vivências que nem sempre são possibilitadas pelo local em que você vive. Fazer um intercâmbio para trabalhar ou estudar (ou ambos) pode abrir possibilidades em todos as esferas da vida. Você conhece outras pessoas, diferentes culturas e visões de mundo, o que pode ter um peso enorme na vida profissional. Veja dicas que podem te ajudar nisso:

 

4. Fazer uma reserva financeira

Com os primeiros salários na mão, é muito tentador sair gastando ou assumindo dívidas que podem nos impedir de prosperar e construir um futuro seguro. O autocontrole, nessa situação, é fundamental.

Um truque que ajuda no autocontrole é dividir o salário do mês pelo número de horas em que trabalhamos para saber quanto você “vale” o nosso tempo. Se eu trabalho 160 horas por mês (40 horas por semana) e ganho R$ 1.600, o valor de minha hora será R$ 10,00. Daí, cada vez que ficar tentado a gastar, faço as contas para ver quantas horas eu precisarei trabalhar para pagar.

Outro truque é não esperar ter mais dinheiro para poupar e investir. Comece mesmo que ache o valor irrisório, porque com o tempo ele deixará de ser. A dica é começar guardando 10% do que receber, todo mês, até ter uma reserva de emergência para se bancar por seis a doze meses. Ela garantirá que você leve uma vida com menos sustos e não precise, por exemplo, trancar a faculdade se perder o emprego. Veja 3 investimentos para formar sua reserva de emergência.

A partir daí, a sugestão é continuar poupando os mesmos 10%, destinando uma parte para seus projetos de vida e outra para sua liberdade financeira futura. Sem esquecer de investir o dinheiro em uma aplicação adequada a cada objetivo. Com os juros em queda, onde aplicar o seu dinheiro?