É hora de comprar ou vender seu carro?

Entenda como um mercado de automóveis bastante aquecido pode influenciar na hora de negociar um veículo

aumento preço carros, comprar ou vender carro, mulher comemora a compra do carro com a amiga
18 de novembro de 2021 4 min. leitura

Você já deve ter observado que o mercado de automóveis anda bastante aquecido: o preço dos carros novos não para de subir e a compra e a venda de veículos usados também estão em alta. Neste cenário, se você é proprietário ou tem interesse em comprar um veículo, é bom entender o que está acontecendo no mercado para tomar a melhor decisão. Vamos ajudar você nisso! 

O que acontece com o preço dos automóveis 

De forma geral, há duas grandes causas que ajudam a explicar o cenário atual: a inflação e a falta de peças automotivas em decorrência da pandemia de Covid-19. Mas, como uma crise na área de saúde pode impactar o setor? Na economia, tudo fica, de alguma forma, interligado – o aumento de preços em uma área tem reflexo em outra, assim como a redução da fabricação de um produto também pode influenciar a produção de outro. Vamos detalhar melhor como isso funciona especificamente no caso dos carros.

Em primeiro lugar, é preciso levar em conta que parte importante das peças usadas na fabricação de carros é importada, vindo principalmente de países localizados na Ásia. Com a necessidade de distanciamento social, várias fábricas por lá precisaram trabalhar em regime reduzido. Isso fez com que menos peças automotivas ficassem disponíveis no mercado e, portanto, menos veículos pudessem ser montados. Aí entra a lei da oferta e da demanda: se um produto é muito buscado, mas tem pouca quantidade disponível, ele encarece. 

Ao mesmo tempo, como essas peças são feitas lá fora, seu preço é negociado em moeda estrangeira – e você já deve ter visto que o real desvalorizou bastante em relação ao dólar. Ou seja, mesmo que um produto mantenha o mesmo preço no exterior, para nós ele encarece, porque precisamos de mais reais para comprar uma mesma quantidade de dólares.

Outro fator que influenciou a queda na oferta foi a paralização de várias montadoras, aqui no Brasil, por conta da pandemia. Além disso, há a inflação. Nos últimos meses, os preços aumentaram muito no Brasil, e isso impacta também a fabricação de carros. Se o preço de uma matéria-prima importante, como o aço, sobe, o produto final também vai ficar mais caro. 

Ou seja, de forma geral, têm sido produzidos menos carros e a fabricação ficou mais cara. Com menos veículos no mercado e muita gente querendo comprar, os preços, que já estavam altos, aumentam ainda mais. E será necessário algum tempo - até dois anos, avaliam os especialistas - para que todo o ciclo de fabricação se normalize.

Aumento do preço dos carros. É hora de comprar ou vender? Na foto, mulher entrega chave ao comprador 

Impactos para a compra e a venda

Um mercado aquecido tem impactos diferentes para quem quer vender e para quem quer comprar um veículo. Se você se encaixa em um desses casos, veja nossas recomendações!

Se você quer vender

Com a alta nos preços dos carros, é possível que você tenha lucro se vender agora um automóvel que comprou há algum tempo. Em alguns casos, o valor atual pode chegar a compensar a desvalorização natural do preço dos usados. Porém, a regra de ouro para qualquer negócio é: pesquise e compare. Afinal, por mais que o preço de venda em si pareça atrativo, tudo está mais caro.

Como você deve ter reparado em qualquer ida ao supermercado, 100 reais hoje não valem a mesma coisa que há dois anos, porque compram uma quantidade menor de coisas. Assim, uma oferta no seu carro que poderia ser excelente para você há algum tempo pode estar abaixo do mercado atualmente.

Em outubro de 2021, por exemplo, muitos modelos de seminovos eram vendidos por um preço até 33% acima da Tabela FIPE, usada como parâmetro de mercado. A dica é acompanhar o valor pedido por outros vendedores antes de aceitar qualquer proposta! 

Se você quer comprar

Com os preços mais altos, a escassez e uma grande busca por automóveis, agora pode não ser o melhor momento para comprar. Mas, é claro, às vezes as necessidades aparecem e não é possível esperar os preços melhorarem. Portanto, vale a mesma regra do caso anterior: pesquise e compare. Por mais que os valores estejam muito altos, sempre é possível encontrar algo mais em conta ou negociar com a concessionária ou com o proprietário. 

Além disso, se você já tem um veículo e está pensando em trocá-lo, pode ser interessante incluí-lo no negócio. Dessa forma, você paga apenas a diferença entre os dois carros – e, uma vez que os automóveis estão todos mais caros, o seu veículo atual também estaria valendo mais, podendo ser um bom negócio para você, especialmente se você tem um carro seminovo.

De olho na isenção e nos descontos

Há, também, alguns casos em que é possível ter isenção de impostos ou descontos na hora de comprar, com uma boa redução no preço do veículo.  

Isenção de impostos para a compra de veículos para pessoas com deficiência

A lei brasileira garante que pessoas com deficiência e seus responsáveis podem comprar automóveis novos com isenção de alguns impostos. O principal é o IPI, Imposto sobre Produtos Industrializados. Dependendo do caso e do veículo escolhido, outros impostos também podem ser dispensados, como ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). 

Desconto oferecido pelas montadoras para empresas

Se você é um microempreendedor individual ou tem um negócio próprio, com CNPJ, há montadoras no Brasil que oferecem descontos para a compra de veículos novos por pessoas jurídicas. Os percentuais variam entre as marcas, mas podem chegar a 30% de abatimento no valor do carro.

Mas, há regras específicas que se aplicam aos diferentes tipos de CNPJ, como limites no valor do automóvel a ser comprado e tempo mínimo que o proprietário deve ficar com o veículo. Além disso, cada montadora tem condições próprias para a venda nessa modalidade. Vale pesquisar!

DESTAQUES
ESSE ARTIGO FOI ÚTIL?
CONTEÚDO RELACIONADO
Organizar as finanças
3 min. leitura
Poupar e Investir
4 min. leitura
Sair das dívidas
5 min. leitura