O preço do crédito fácil

Como usar o crédito sem comprometer sua renda com o pagamento de juros

15 de janeiro de 2018

Nesta edição do programa Meu Bolso em Dia no Verão, veiculado pela Rádio Beira Mar de Ubatuba, você confere as dicas para usar o crédito sem comprometer sua renda com o pagamento de juros.



Você já deve ter visto por aí ofertas de “crédito fácil e sem burocracia”. Mas fique atento: o crédito fácil pode ter um preço alto. Isso porque os juros são definidos com base na garantia de que as instituições financeiras vão receber o dinheiro de volta. Quanto menos exigências para emprestar o dinheiro, maior o risco de não receber. Portanto, maiores os juros.

Às vezes, as pessoas pagam uma conta alta por não conhecer bem as modalidades de crédito e as taxas cobradas. Como as taxas são diferentes em cada instituição, antes de contratar, pergunte qual é o “custo efetivo total”. Esse custo representa todos os encargos e despesas, incluindo juros, IOF, taxa de administração, taxa de inscrição, etc. Vale a pena pesquisar o “custo efetivo total” em várias instituições e comparar os preços.

Outra dica é conhecer a melhor maneira de usar cada tipo de crédito. Assim, você evita comprometer seu orçamento com o pagamento de juros. O rotativo do cartão, por exemplo, deve ser usado apenas em uma eventualidade. Naquela situação de aperto e por pouco tempo. O mesmo vale para o limite do cheque especial. Essas duas modalidades têm juros elevados.

Outro tipo comum de empréstimo é o consignado, que é descontado na folha de pagamento ou no benefício do INSS. Os juros são menores, mas muita gente se enrola com o consignado. Antes de contratar, veja se a parcela cabe no seu bolso.

Leia a matéria completa: Crédito Fácil? Cuidado, ele pode ter um preço alto. Veja também: Por dentro do Custo Efetivo Total.