Uma Iniciativa Febraban

Casais que moram juntos

Briga de marido e mulher ninguém mete a colher! A gente costuma ouvir essa frase e tem uma pesquisa realizada pela Kansas State University em 2013 que mostra que os problemas financeiros são os maiores motivadores de brigas e divórcios de casais.

Por isso, controlar os gastos com parceria é importante para evitar discussões, pelo menos quando o assunto é dinheiro ou a falta dele. Além disso, pensar e agir juntos quanto aos gastos, ganhos e investimentos para a realização de sonhos podem ser pontos importantes para manter o amor e o bolso em dia.

Eles disseram: “sim”
Quando um casal resolve morar junto é importante que desde o início faça um planejamento financeiro e tenha transparência e diálogo, tanto nos ganhos quanto nos gastos e suas prioridades.

O consultor financeiro e professor Mauro Calil explica que a fidelidade e felicidade conjugal passam pela fidelidade e felicidade financeira. 

Independentemente do valor que cada um ganha, o casal pode, por exemplo, estipular um percentual de seu salário para arcar com as despesas. “O valor escolhido é, em geral, uma consequência do estilo de vida”, explica. Um casal que destine 45% de sua renda com as despesas do lar e outro que destine 15%. Isso dependerá basicamente da receita conjunta e do tamanho do conforto e objetivos que querem ter.

Coloque tudo na ponta do lápis
Para facilitar a organização vocês podem ter uma conta corrente conjunta, mas de forma solidária, ou seja, cada um mantém sua conta corrente individual e transfere o percentual para esta conta conjunta que, de preferência, não tenha limite, cartão de crédito e cheque especial. 

Se um é mais “gastão” do que o outro, o mais responsável nas finanças pode assumir o controle. Isso significa promover o processo de diálogo e seleção de prioridades e nunca decidir sozinho o destino de ambos. 

Você sabia?
Se ainda não se casaram legalmente, o regime de separação total de bens facilita negociações e protege os bens individuais e mesmo os comuns.  

Amor x Dinheiro
Há um ditado que diz “quando a miséria entra pela porta o amor sai pela janela". Geralmente as pessoas se unem pelo amor, por isso não deveriam se separar pelo dinheiro, mas quando uma vida financeira vai mal pode ser difícil não deixar que isso interfira em outros aspectos do relacionamento. 

“Se os momentos de restrição e de desavenças financeiras forem frequentes, valores maiores como companheirismo e cumplicidade, amizade e tolerância e principalmente o amor serão muito importantes para que se mantenham unidos e aprendam juntos a rever suas expectativas como indivíduos e como casal”, aconselha Calil. 

Tem mais alguma dica para manter o bolso e amor em dia? Divida com a gente nos comentários abaixo! 

 


Matérias Relacionadas

Dez dicas para você não se enrolar com o cartão de crédito